Acessar Credit Consult Acessar Credit Consult


Notícias

Projeto de Lei nº 350 do Executivo não foi debatido com a comunidade. Qual a verdadeira intenção do projeto?

Data: 13/11/2019 - Fonte: Assessoria Jurídica Acir / Assessoria de Imprensa Gabriela Zangari
Projeto de Lei nº 350 do Executivo não foi debatido com a comunidade. Qual a verdadeira intenção do projeto?

A prefeitura municipal de Rondonópolis enviou à Câmara Municipal, o projeto de lei nº 350, que propõem a reestruturação do Conselho Municipal de Saúde e criação de conselhos gestores para cada uma das unidades de saúde vinculadas ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Esses conselhos seriam, a princípio, responsáveis por deliberar, planejar, avaliar, fiscalizar e controlar as ações de saúde no município. Programas como o Saúde da Família (PSFs) e outras unidades públicas, além das instituições filantrópicas como a Santa Casa e o Hospital Psiquiátrico Paulo de Tarso, estão dentro do regimento desse projeto de lei.

O departamento jurídico da Acir, esclarece o projeto de Lei nº 350:

Críticas à mensagem e ao projeto de lei nº 350, de 15/08/2019, de autoria do Poder Executivo Municipal, com a proposta de criação do Conselho Municipal de Saúde e dos Conselhos Gestores das Unidades de Saúde.
Justifica o Executivo que a proposta está assentada na Constituição Federal de 1988, na Lei nº 8.080, de 19/09/1990 (SUS), na Lei nº 8.142, de 28/12/1990 (participação da comunidade na gestão do SUS), na Resolução nº 453, de 10/05/2012, do Conselho Nacional de Saúde, ou seja, a proposição já deveria ter sido resolvida muito antes, e, mais, trata-se de questão que deveria ter sido apresentada e desenvolvida direta e efetivamente com a comunidade, afinal, está propondo a participação da comunidade.


A matéria, contudo, não foi tema de diálogo com o Conselho Municipal de Saúde constituído, não esteve na pauta de assuntos da 10ª Conferência Municipal de Saúde, e também não foi objeto de audiência pública ou de consulta à comunidade, e, sem a participação da sociedade organizada, garantida na legislação, o Executivo já demonstra desobediência à Resolução nº 453, de 10/05/2012, do Conselho Nacional de Saúde, e à Lei Lei nº 8.142, de 28/12/1990.
En passant, a segunda diretriz prevista na Resolução CNS nº 453/2012 orienta que para a instituição e reformulação dos Conselhos de Saúde o Poder Executivo, respeitando os princípios da democracia, deverá acolher as demandas da população aprovadas nas Conferências de Saúde, e em consonância com a legislação, mas nas justificativas da mensagem nº 350 não há menção alguma às demandas da população…Sintomático!


Em verdade, em verdade, a proposta não é para a criação do Conselho Municipal de Saúde, afinal o Conselho já foi criado há tempo pela Lei Municipal nº 1779, de 16/10/1990, e, diga-se tem cumprido o seu papel. O que se tem é uma proposta de atualização legislativa, que não difere muito do modelo legislativo padrão de outros municípios. A “grande novidade” talvez seja a criação dos conselhos gestores das unidades de saúde, que é motivo de desconfiança e desconforto, uma vez que faltou o debate aberto e franco com a comunidade.


A atualização legislativa, de fato, é oportuna e até necessária, dado as muitas modificações ocorridas na Lei Federal nº 8.080/1990, principalmente, mas também em virtude das resoluções, moções e recomendações do Conselho Nacional de Saúde, do Decreto nº 7.508, de 28/06/2011 (que regulamenta a Lei nº 8.080/1990), a Lei Complementar nº 141, de 13/01/2012 (que dispõe sobre os valores mínimos a serem aplicados em ações e serviços públicos de saúde), ainda que a Lei Federal nº 8.142/1990 não tenha sofrido quaisquer alterações, seguindo inalterado o texto publicado no DOU de 31/12/1990.
As diretrizes para a instituição, a reformulação, a reestruturação e o funcionamento dos conselhos de saúde, inclusive a composição, a organização e a competência funcionais, estão fixadas na Lei nº 8.142, de 28/12/1990, o que deverá ser observado com rigor pelos vereadores na avaliação do projeto de lei apresentado, sem descuidar das audiências públicas e da consulta à população, uma vez que _os Conselhos de Saúde são espaços instituídos de participação da comunidade nas políticas públicas e na administração da saúde_ (primeira diretriz da Resolução CNS nº 453/2012).


Crítica nº 01. Art. 1º do PL 350/2019. O projeto do Executivo não informa o caráter permanente do Conselho Municipal de Saúde, conforme define o art. 1º, §2º, da Lei nº 8.142/1990, e a primeira diretriz da Resolução CNS nº 453/2012.
Crítica nº 02. Art. 5º do PL 350/2019. O projeto do Executivo afasta a possibilidade de participação das entidades patronais, das organizações religiosas, dos movimentos organizados de mulheres e das entidades de defesa do consumidor, o que merece ser revisto pela Câmara de Vereadores, permitido maior participação da comunidade e diversidade paritária no Conselho Municipal de Saúde.
Crítica nº 03. Art. 22 até art. 25 do PL 350/2019. Não há clareza alguma na proposição. A avaliação, a fiscalização e o controle da execução das políticas públicas e das ações de saúde são competências e atribuições do Conselho de Saúde, como órgão colegiado e deliberativo, inclusive quanto aos aspectos econômicos e financeiros, conforme estabelece o art. 1º, §2º, da Lei nº 8.142/1990, não havendo razão aparente ou justificativa de fato (e de direito) para transferir tais prerrogativas de função ao conselho gestor da unidade de saúde. Aliás, é da própria natureza do Conselho Municipal de Saúde ser um Conselho Gestor.

 Logo, porque falta clareza à proposição, presumindo que o objetivo da criação do conselho gestor da unidade de saúde seja facilitar o entendimento das demandas próprias de uma unidade específica e fiscalizar mais de perto a execução das políticas públicas e das ações de saúde naquele ambiente restrito, para serem submetidas à deliberação do Conselho Municipal de Saúde, há evidente exagero nas atribuições. Como mencionado a necessidade, utilidade e oportunidade desse conselho gestor não está minimamente clara, o conselho municipal e conselho gestor (se for aclarada a função) só deveria atuar no que diz respeito as políticas públicas e ações de saúde, ou seja, não poderá administrar a unidade de saúde seja privada ou publica, (onde administrar está relacionada a gestão empresarial e fiscalizar deve ser uma função restrita aos recursos públicos oriundos do SUS).

Não há dúvida de que o projeto de lei em discussão precisa ser esclarecido para a sociedade civil.  A ausência do debate público é um erro grave. Assim, e, portanto, porque o Executivo não o fez (e deveria ter feito), é DEVER moral inarredável da Câmara de Vereadores promover a discussão do projeto de lei com toda a população.

Deixe seu comentário

* Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!

Veja também

ESCLARECIMENTO DA ASSESSORIA JURÍDICA DA ACIR SOBRE POSSÍVEL LOKCDOWN

Deverão ser adotadas as providências necessárias conforme determinado, sob pena de multa di

SAIBA

Jornada do Comerciante: Dicas e estratégias para o seu negócio, faça a sua inscrição

O tradicional Encontro de comerciantes este ano será em formato digital

SAIBA

Projeto “Missão Cidadão - A nossa gente, cuidando da gente

O projeto se iniciou nesta terça-feira (7) e segue até o dia 21 de agosto. Durante esse perí

SAIBA