Logo Credinet

Logo Credinet


Notícias

ACIR quer definição de responsabilidades sobre as obras

ACIR quer definição de responsabilidades sobre as obras

Em reunião na sede da Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Rondonópolis – Acir, na tarde desta terça-feira, 26, o secretário Municipal de Transporte e Trânsito, Rodrigo Metelo, o conselheiro José Luís Gonçalves Ferreira, o diretor Miguel Mendes, o gerente administrativo Robson Neves e o presidente Juarez Orsolin, debateram a atual situação do aeroporto Municipal Maestro Marinho Franco.

Abrindo a reunião o presidente Juarez relatou as últimas ações da entidade que apoia a busca pelas melhorias na unidade local. “Trouxemos o senador José Medeiros para a Acir no início deste mês. Na sequência fomos a Brasília, em agenda marcada pelo senador no Ministério do Transportes, com o secretário nacional de aviação civil, Dario Lopes. A Associação quer colaborar para que os entraves sejam solucionados. Nesta tarde convidamos o secretário Metelo para realmente saber dos caminhos para as melhorias necessárias”, disse Juarez Orsolin.

Com a possibilidade de privatização de vários aeroportos no País, inclusive quatro de Mato Grosso, a proposta levada a Brasília foi de tentar uma administração da unidade de Rondonópolis por meio de uma parceria entre Infraero e uma empresa alemã. Proposta descartada pelo secretário da Anac, na ocasião da visita à Brasília.

O secretário Rodrigo Metelo trouxe a realidade da situação à diretoria da Acir. “O processo de privatização já toma corpo no Ministério dos Transportes, mas é importante salientar que o nosso aeroporto tem muitos entraves. Por exemplo, todas as obras de responsabilidade do Estado, por meio da Sinfra/MT foram embargadas pelo Tribunal de Contas. Então estamos com o prolongamento e alargamento da pista, construção da pista de taxi way, aumento de pátio e balizamento de pista, tudo parado. A única etapa concluída foi o cercamento da área. A administração e implementação de melhorias no aeroporto pelo Município fica inviável com estas obras embargadas”.

Metelo alertou que antes de qualquer coisa é preciso que a Sinfra/MT resolva a parte que cabe ao Estado. “Para homologar o Rnav – que autoriza pousos e decolagens, ampliar a área de embarque e desembarque e garantir a segurança nas operações as obras de responsabilidade do Estado devem ser concluídas. Nós queremos que o aeroporto funcione de acordo com as necessidades de Rondonópolis, mas isso não depende da prefeitura, que tem um contrato de administração da unidade. Além disso, não é o momento de investir no aeroporto, já que deve ser privatizado em 2018”.  

Pontuados os maiores entraves, a diretoria da Acir, entende que, no momento e com a atual situação, a alternativa que resta é entregar a administração do aeroporto de Rondonópolis de volta para o Estado. “O secretário diz que o Município não pode ficar com essa responsabilidade e, sendo assim, concordamos que a prefeitura desfaça o contrato com a Sinfra/MT e devolva a administração do Aeroporto ao Estado. As entidades representativas terão a quem recorrer na hora de cobrar melhorias, como estrutura física, equipamentos e voos regulares”, disse o conselheiro José Luís.

Finalizando a reunião, o diretor de indústrias da Acir, Miguel Mendes, reforçou que a cidade precisa pelo menos manter os serviços no aeroporto com segurança. “Passageiros e funcionários de companhias aéreas precisam ter a garantia de pousos e decolagens em um aeroporto seguro. Precisamos também brigar pelos investimentos que a cidade merece e isso diz respeito inclusive à classe empresarial que promove o desenvolvimento da região e precisa de um aeroporto compatível”. 

Deixe seu comentário

* Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!

Veja também