fonte: Rodrigo Becker

O ano de 2016 não esta sendo um dos mais fáceis, os cenários são um tanto desanimadores, economia instável, empresas fechando suas portas e o nível de desemprego aumentando assustadoramente, para as gerações mais novas, isso pode até não representar muito, mas para quem já esta no mercado a um certo tempo, até parece reprise de um filme de terror reeditado, mas embora o momento não seja tanto positivo, há quem esteja enxergando oportunidades tanto para investir, quanto para expandir seus negócios, isso mesmo, as palavras são expandir e investir.


Apesar dos maus ventos, alguns empreendedores buscaram forças nessa tempestade e estão fazendo acontecer como disse no jargão popular. Em uma reunião com alguns empresários há poucos dias, um dos participantes me questionou:


Como consegue em meio a essa crise manter sua atividade em alta?


A minha resposta foi: “não estou sentindo a crise, e ela não tem me preocupado, primeiro porque não vivo a crise, minha preocupação é minha equipe, me preocupo em criar condição de motiva-los e capacita-los e isso gera relacionamento com nossos clientes, sou gestor e preciso pensar e superar os desafios, e isso se traduz em resultado, não deixar de divulgar nosso trabalho, criar parcerias e trazer novidades, esse é meu foco”.


Pois bem, quando a gestão da empresa muda o foco, tudo flui, e no atual momento econômico um dos maiores desafios é o constante aumento de insumo, e por isso manter o foco da gestão em manter o equilíbrio das margens por meio do controle de custo e o crescimento das vendas, é se m duvida um desafio, mas mais que isso é manter o foco no trabalho e planejar estrategicamente e fazermos cumprir o que se propõe, pois como sempre digo “quem não sabe onde quer chegar, qualquer lugar serve”!; “E para os próximos meses pretendo investir apenas em ações para implementos das vendas”, complementei ainda minha resposta aos empresários.


É, ser empresário em qualquer segmento é motivo de muita satisfação, apesar das dificuldades enfrentadas pelo caminho, devemos acreditar que vale a pena, quando se esta disposta a mudar a direção e assumir o comando da empresa verdadeiramente.


Gerir uma empresa, significa lembrar que que você deve estar preparado para enfrentar dias ruins, que seus dias serão curtos, que terá muito trabalho, que não vai ter salário fixo muitas vezes e  que principalmente, terá que lembrar que existem empresas que estão preparando para o mercado tanto quanto você, por isso busque capilarizar sua marca no mercado, organize seus métodos de trabalho, conheça seus clientes mais, suas necessidades e o que estão precisando, quando descobrir isso, bem, vai saber que isso é apenas uma parte que precisava saber para conseguir desenvolver estratégias para desenvolver sua empresa.










fonte: Rodrigo Becher

Em meio a um bombardeio de informações negativas que recebemos todos os dias desde o raiar do sol até a hora de dormir, que geram transtornos nas rotinas, fico a me perguntar se estávamos preparados para isso e o que temos feito para sobressair? Pois bem, a primeira parte da pergunta é muito fácil de responder. Não estávamos preparados, estávamos todos navegando em mares calmos e por isso não preparamos nem a nós, nem nossos colaboradores para serem bons marinheiros. Estamos apenas viajando, e isso nos leva a uma reflexão para responder a segunda parte da pergunta. O que temos feito para sobressair? A resposta também é simples. Muitos nada, esperando um “passe de mágicas” acontecer e resolver tudo.


Vamos lá! Convido você a fazer uma pequena reflexão sobre nossos processos de criação e condução empresarial. Uma empresa é feita para ser duradoura, gerar lucros, aumentar o capital e consequente aumento da riqueza de quem a fundou, proporcionar ganho a seus colaboradores, fornecedores, clientes com melhores serviços e produtos à sociedade em geral.


Bem esse deveria ser o foco principal, mas em nosso país vemos que as empresas são fundadas com objetivos breves. Isso mesmo, apenas suprir uma necessidade de criar renda, e por isso, muitas não conseguem se manter no mercado. E em momentos como esse que vivenciamos, muitas iram afundar nesse mar turbulento, outras conseguiram atravessar, já outras deveriam rever suas estruturas e amaras, para conseguir passar e depois manter-se. Mas a pergunta é: como fazer isso? A resposta é simples. O mar pode estar calmo mas você deve estar preparado para enfrentar ondas, chuvas, ventos e até mesmo uma tormenta. Capacitar é a resposta, mas isso muitos fazem, existem inúmeros treinamentos que vemos salas lotadas. O problema é que muitos teimam em capacitar apenas um marinheiro, “achando” que esse saberá reproduzir todo o conteúdo ou salvar a todos.


Minha critica é justamente nesse ponto, treinar apenas o time ou um componente não basta, você precisar estar preparado para enfrentar todas as situações, ou pelo menos saber como cobrar para resolver as situações, delegue responsabilidades, mas cobre resultados. Estar preparado significa estar apto a delegar e cobrar, saber fazer para ensinar e a resolver. Por isso nesses momentos que passamos é bom fazer uma reflexão de como estamos conduzindo nossos projetos e alinharmos com as expectativas tanto nossas quanto de nossa equipe para ajustarmos as velas e colocarmos todos em favor ao vento para atingir o objetivo, e principalmente sair desse momento com uma reflexão que em tempos de crise, a melhor maneira de enfrentar é estar capacitado para isso, e não apenas jogar uma boia quando tudo esta perdido, para resgatar apenas um viajante que muitas vezes é você.


Estar preparado significa estar aberto as mudanças que ocorrem todos os dias, ver as oportunidades e trabalhar para termos uma estrutura forte, capaz de suportar todos os tipos de situações, e se alguém deixar a empresa não ser afetado na sua continuação e assim permaneça no mercado por muito tempo e não apenas um período para criar renda.










fonte: RODRIGO BECHER

Para muitos empresários o mundo ideal é o sem concorrência, você também pensa assim? Todos têm medo de concorrência e isso é normal, porém quando a concorrência desperta em você raiva, insegurança e faz perder o sono, bem, então precisa realmente repensar suas estratégias, pois, alguém assim como você, esta lutando pelo mesmo mercado, entretanto com uma estratégia diferente. Mas, estamos em meio a uma crise, será que há espaço para concorrentes? A falta de competidores em alguns setores pode ser vista como algo positivo ou até mesmo um cenário de sonho. Mas, está longe de ser coisa boa. A falta de concorrência pode significar mercado fraco, algumas poucas razões para um negócio não ter concorrência, mas nenhuma é boa, vejamos:


-Sua empresa tem olhado o ambiente onde está inserida? Não deixe ser movido pela ansiedade de dar certo e ganhar dinheiro, nem queira se enganar e pintar um mundo mais fácil do que realmente é. Ter uma empresa de sucesso não é fácil e a concorrência vai tomar seu espaço se você deixar.


-Seu empreendimento é tão inovador frente ao mercado? Bem, se esse é o motivo de sua despreocupação, com certeza não tardará para os primeiros concorrentes aparecerem. O empreendedor deve ficar atento, pois se fez um grande investimento para educar o seu mercado, quando os concorrentes começarem a vir, pegarão um mercado pronto e educado pelo pioneiro. Isso não parece justo a você e ninguém disse que seria fácil, certo?


-Se você acha que pelo mercado estar em crise não é hora de investir, nem melhorar seus processos, seus produtos e principalmente a maneira de gerir seu negocio, e continua achando que concorrência é ruim, vou dar uma dica. Se você não tem produtos que as pessoas procuram, está criando oportunidade para eles conhecerem seus concorrentes, mas mesmo assim acha que está no caminho certo? Que tal um mercado sem concorrência? Um exemplo clássico sobre competitividade no mundo a fora é: que tal montar uma churrascaria na Índia? Matéria prima abundante e barata e concorrência zero. Só não se esqueça que por lá poucos consomem carne bovina, animal tido como sagrado naquela parte do mundo.


-PARA SE MANTER VIVO, PRECISA SER COMPETITIVO E PARA SER COMPETITIVO, PRECISA DE CONCORRÊNCIA com isso os empreendedores se mantém inovadores. A competição faz as pessoas pensarem de forma diferente sobre os mesmos problemas, o que é necessário para a manutenção e crescimento do negócio e das pessoas ligadas a ele. Pense nisso e não diga depois, se eu soubesse disso antes, teria feito, o momento é agora! 










fonte: Rodrigo Becher

Enquanto muitos preparavam suas comemorações de fim do ano, o governo que durante o ano de 2015 preparou e comemorou varias mudanças com implementação de novas obrigações ao contribuinte, não podia literalmente deixar passar em branco, e no dia 29/12/2015, o governo de Mato Grosso, aprova, assina e manda a publicação o decreto 380/2015 com validade já para 01/01/2016, onde traz mudanças significativas para o contribuinte mato-grossense sobre a forma de recolhimento do ICMS, mudança essa que não benéfica as empresas do simples, e torna menos competitivo nossos setores.

Empresas sem entender tais mudanças procuram as agencias fazendárias do estado para conseguir uma informação, pois o decreto entra em vigor dia 01/01/2016 e o que encontram é um sonoro e estrondoso “não sabemos de nada” como resposta.

Sempre escrevo artigos sobre a militância empresarial, e minha orientação a todos, que busquem pela informação, atualização, capacitação e sejam mais que apenas executores de tarefas, sejam gestores, lideres e apoiadores de uma cultura que deve primar pela mudança. Pois bem acredito que isso deveria valer para o poder publico, isso mesmo, a falta de preparo, desconhecimento da real situação e dificuldades em implementação de mudanças parece não ser do conhecimento dos gestores, tampouco daqueles técnicos executores. A falta de conhecimento da realidade empresarial e do dia a dia do contribuinte é tamanha que gera um abismo entre governo e contribuinte, onde na verdade deveria se buscar ajustar e conduzir a um processo de conhecimento mútuo e de aproximação, o governo governa para o povo e não contra o povo.

Tenho participando de diversas discussões sobre o tema, entretanto afirmo não termos retorno do que está proposto mesmo com a cobrança das entidades e sindicatos, não teremos retorno, o que teremos é apenas prazo para adequações, aproveite que o ano começou com tudo, e prepara-se, pois essa mudança ira influenciar diretamente nos custos, depois não fale “se eu soubesse disso antes”.










fonte: Rodrigo Becher

Parece que estamos próximos a grandes viradas empresariais, tanto econômico, quanto burocrático, vimos ao longo desse ano grandes projetos evoluírem e serem implementados, e muitos outros ainda em andamento, apesar de serem voltados para atender ao fisco que vem elevando sua presença a cada dia, entre eles tivemos a ECF que considero um marco para as empresas tanto contábeis quanto das demais, unicamente por terem que cumprir com a exigência de fazer a contabilidade, muitos julgaram ser extremamente impossível ser entregue, e para surpresa o fisco manteve, tivemos também a entrada do eSocial para o trabalhador domestico e um calendário ajustado para as demais empresas, e não para por ai, temos ainda a entrada do Bloco K, que foi ajustado, e diga-se de passagem deu um folego para muitas empresas da área industrial e atacadistas.


Se a vida empresarial em nosso país é uma verdadeira arte, o empresário precisa entender que é o artista principal, e precisa além de planejar, conhecer processos legais e burocráticos, e interagir com o meio, e isso não tem sido tarefa simples, a presença do fisco aumenta a cada dia, e traz a tona a importância de o empresário buscar processos mais eficientes e fazer o empresário ser especialista, não em tudo, mas do seu negocio, traçar estratégias baseadas em técnicas comprovadas e ainda ter certeza de quais são os reflexos que isso leva, não é mais admitido experiências baseadas apenas nas conversas da porta de loja, coisa comum de décadas passadas, onde a tecnologia não estava presente em nosso dia a dia.


Essa transformação ou melhor essa evolução é apenas o inicio de uma reforma nos processos de gestão empresarial, e como estamos em uma fase de planejar, nada melhor que planejar como podemos buscar mais informações sobre nosso setor, nosso ramo de negócios, nossa forma de cumprir exigências e ainda ser competitivo. Aproveito para deixar nesse artigo que todos devemos buscar desenvolver novas competências e melhorar nossas performances, para isso basta começar, busque conhecimento.


Para concluir, digo que devem se voltar cada dia mais ao planejamento de ações, do que propriamente a execução das tarefas, saia da sua zona de conforto, busque conhecimento e ferramentas que possam lhe auxiliar, afinal a melhor maneira de predizer o futuro é criá-lo.





 
1 2 3 Proxima